Como começar uma festa (e porque isso pode ajudar no desenvolvimento de softwares livres)

Antes de continuar lendo essa publicação, assista ao vídeo abaixo (descoberto graças a essa mensagem no Twitter do Karlisson):

Esse é um bom exemplo de como um único indivíduo consegue disparar um processo de movimentação popular. Repare que as primeiras pessoas que aparecem, estão lá só como zombaria. Mas o processo de agregação vai se acelerando. Até o momento em que se atinge um limiar onde o crescimento passa a ser exponencial. E o rapaz cria uma "festa dentro da festa"… e literalmente some no meio do movimento que ele mesmo iniciou.

Cabe destacar que o ponto chave da movimentação é justamente o limiar, citado acima. O momento em que as pessoas param de se comportar como indivíduos e começam a agir como grupo. Freud (citando Le Bon) trata muito bem dessa questão do grupo em seu texto "A descrição de Le Bon da mente grupal" (encontrado no volume XVIII da "Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud"). O Le Bon afirma que:

"o grupo psicológico é um ser provisório, formado por elementos heterogêneos que por um momento se combinam, exatamente como as células que constituem um corpo vivo formam, por sua reunião, um novo ser que apresenta características muito diferentes daquelas possuídas por cada uma das células isoladamente".

Essa característica "orgânica" do grupo é particularmente interessante, pois permite que a emersão, no grupo, de propriedades que não pertençam a nenhum dos indivíduos em particular. E isso tem muito a ver com a forma como o movimento de  software livre funciona. O seu desenvolvimento também só é possível graças à união de pessoas com características e habilidades diferentes, cuja sinergia produz resultados que talvez nenhum dos membros individualmente esperassem. Reparem também no vídeo, que quanto maior o grupo, mais pessoas são atraídas para ele. Projetos de softwares livres também são assim. Não é à toa que os "projetões" conseguem arregimentar mais colaboradores do que os projetos menores.

A grande questão é qual a quantidade de pessoas necessárias para disparar o processo exponencial de crescimento do grupo. Isso porque esse número varia e depende de vários fatores, entre eles, a distância entre essas pessoas e o grau de afinidade entre elas. Entender esse processo pode ajudar, entre outras coisas, a melhorar o envolvimento de pessoas em projetos de softwares livres. E é uma discussão interessante, onde cabem muitos "palpites"…

Pois é. Esse assunto começou a martelar (de novo) na minha cabeça. Acho que está na hora de eu voltar a ler meus livros de teoria de caos e sistemas dinâmicos que estão paradinhos na estante.