Conforme definição do sítio que está organizando o evento aqui no Brasil,

O Dia da Internet Segura (“Safer Internet Day”) é uma iniciativa anual da INSAFE, rede de organizações patrocinada pelo programa Safer Internet Plus, da Comissão Européia. O objetivo geral da rede e da data é promover o uso ético e seguro da Internet e outras tecnologias, por meio da difusão de informações, recursos e guias de boas práticas. 

No ano passado participaram do evento 56 países. Neste ano, já existem 65 com atividades marcadas. Aqui no Brasil a organização coube à ServerNet Brasil, uma ONG bastante séria e envolvida há algum tempo com a questão de abusos na Internet, e ao Ministério Público Federal.

E essa é uma discussão não só necessária como urgente. Quando se fala em segurança no uso de computadores, a maioria das pessoa logo pensa em antivírus e firewall. Mas esquecem-se que um perigo muito maior encontra-se justamente na chamada engenharia social, que é justamente a "arte" de conseguir informações importantes a partir da enganação e exploração das pessoas.

Mas engana-se que a engenharia social é utilizada somente para obter senhas de acesso ou informações confidenciais de empresas. Essas técnicas já são utilizadas há algum tempo por criminosos para obter informações sobre suas vítimas, em especial, estupradores e pedófilos. E a Internet, com seu alcance e velocidade de divulgação de informações, é um prato cheio para essas pessoas atuarem não só na obtenção de informações como também na divulgação de seus "resultados".

Engana-se também quem pensa que bloquear determinados sítios (prática comum em alguns ambientes educacionais) consegue impedir esse tipo de prática. Existem diversas maneiras de contornar a maioria dos bloqueios e é literalmente impossível bloquear todo conteúdo potencialmente perigoso sem impedir o acesso a outros conteúdos que possam ser úteis. Portanto, a melhor forma de combater as ameaças digitais ainda é o bom e velho diálogo. Discutir com as pessoas os perigos às quais elas estão expostas e orientar crianças e adolescentes dos problemas que eles podem enfrentar é uma opção mais educativa e honesta.

Seguem abaixo dicas (algumas bem óbvias, mas nem por isso menos importantes) de como agir para ter um comportamento mais seguro na rede:

  • Use o GNU/Linux. Pode parecer uma sugestão radical, mas vai te manter livre da maioria absoluta de vírus e spywares.
  • Caso use algum sistema proprietário, prefira o Firefox ao invés do Internet Explorer e o Thunderbird ao invés do Outlook Express. Além de aumentar consideravelmente a sua segurança contra vírus e spywares você terá muito mais opções de uso, por meio das extensões, e estará usando ferramentas que seguem padrões internacionais da web.
  • Caso você use o Microsoft Windows, nunca abra anexos de e-mail sem ter certeza absoluta de que ele é aquilo que se diz ser. E mesmo nesses casos, nunca abra arquivos com extensão .scr, .exe, .com e .pif.
  • Se você é usuário de alguma rede social ou comunidade virtual, nunca divulgue dados pessoais como endereço, telefone, e locais onde trabalha/estuda e frequenta normalmente. Se possível evite divulgar também seu e-mail. Oriente outras pessoas a fazerem o mesmo, especialmente crianças e adolescentes.
  • Caso marque um encontro físico com alguém que conheceu via Internet, faça-o em um local público.
  • Grande parte das redes sociais, como o Orkut, possuem restrição de cadastro para maiores de 18 anos. Por isso, não utilize essas redes para trabalhos educativos que envolvam menores de idade, nem estimule a participação deles nessas redes. Se você ensina a uma criança que ela pode mentir a idade para entrar em um sítio, ela está aprendendo que pode mentir em outras ocasiões também. Prefira o uso de redes autogeridas, que você mesmo pode criar e manter, ou que tenham regras que não precisem ser burladas. O serviço de criação de redes sociais Ning é uma alternativa bem interessante, pois permite criar sua própria rede social e já possui algumas bem bacanas.
  • Lembre-se sempre (e reforce nas pessoas) que a Internet não é um "mundo à parte". As pessoas com as quais interagimos lá, existem de verdade, portanto difamações e ofensas "virtuais" atingem pessoas "reais". Assim como no mundo físico, tenha sempre em mente que brincadeiras digitais de mau-gosto podem fazer um estrago bem grande.
  • Converse, converse, converse. Um diálogo franco e aberto com as crianças e adolescentes que você tem contato, seja membros da sua família, alunos ou conhecidos, tem um valor inestimável na educação deles. Seja humilde para reconhecer que não conhece determinados assuntos e proponha que vocês pesquisem juntos. E evite as "respostas prontas" e atitudes do tipo "não pode e pronto". Isso só estimulará a insistência no assunto por parte deles.

Alguns sítios de referência que você pode consultar sobre o assunto:

E, por fim, um vídeo interessante do Child Exploitation and Online Protection (CEOP) Centre, disponível no YouTube. Inclusive eles possuem um canal no YouTube com outros vídeos na mesma linha.

E você? Como colabora para manter a Internet mais segura e utilizável? Lembre-se que pequenas atitudes podem fazer uma grande diferença.

Next Post Previous Post