Belo Horizonte… Belos horizontes, para a KDE, no LaKademy 2017

Publicando um pouco atrasado, mas não podia deixar de comentar como foi a experiência de participar de mais um LaKademy, especialmente por ter sido aqui em BH. Não sabe o que é o LaKademy? Dá uma olhada nessa publicação que eu fiz por conta do início das atividades.

Bom, se antes estava na expectativa de como seria o evento, nesse momento eu só tenho satisfação. Foram quatro dias de trabalho intenso, mas que valeram a pena. O evento foi muito produtivo e tudo funcionou dentro do esperado.

Um feriado prolongado inteiro trabalhando, enfurnado em uma sala do CEFET… E sem ganhar nada por isso… É assim que o software livre funciona, meu amigo. Ou você acha que ele dá em árvore? 😉

Como na edição anterior, foquei na parte de tradução e de promo. E nesse ano demos um salto importante em ambas as áreas. Em relação à tradução, desde o ano passado estávamos com a ideia de adotarmos o Vocabulário Padrão (VP) como referência para nossas traduções, bem como migrar sua página para dentro da infra da KDE. E acabamos decidindo migrá-lo para o Drupal, que é o CMS utilizado pela KDE para a hospedagem das suas páginas. Mas tínhamos um desafio que era o de transportar todos os vocábulos já cadastrados no VP para o Drupal, caso contrário teríamos que digitar tudo novamente. Pra se ter uma ideia do tamanho desse problema, são mais de 15.600 (!!!) vocábulos atualmente… Mas depois de muito bater cabeça com testes de módulos para o Drupal (e uma atenção primorosa da equipe técnica responsável por esse CMS na KDE), conseguimos finalmente colocar o VP no ar. Ainda estou trabalhando em alguns detalhes relativos à sua visualização e formas de interação, mas o resultado atual já pode ser visto aqui.

Tela do sítio do KDE Brasil exibindo um trecho do Vocabulário Padrão

O novo Vocabulário Padrão em seu estágio inicial de configuração.

E aproveitando que estávamos mexendo nos módulos para colocar o VP no ar, resolvi dar uma geral na parte digital da KDE Brasil. Em primeiro lugar, junto com o Filipe Saraiva, reativamos o agregador de blogs da nossa comunidade. Antigamente esse agregador funcionava à parte em um Planet, mas ele foi desativado. E uma vez que era a partir dele que as mídias sociais da KDE Brasil era alimentadas, isso virou um problema. Com isso, resolvemos reativar o agregador, mas, dessa vez, também dentro do Drupal da KDE Brasil. E agora isso também está funcionando. Dessa forma, é possível acompanhar, em um único lugar, toda a publicação em português de quem contribui com a KDE.

Em segundo lugar, resolvemos pensar o sítio web como um todo. Pra isso estou trabalhando na reestruturação dos menus e estamos produzindo novos conteúdos e adequando os antigos para essa nova estrutura. Então, em breve (eu espero) o nosso sítio terá novas informações e uma nova estrutura. E com a entrada da Ângela Cunha, que trabalha com design, e do Farid Abdelnour, que está envolvido diretamente no desenvolvimento do Kdenlive, e também tem experiência com a parte gráfica, quem sabe não temos também uma alteração mais significativa em nosso visual?  😉

Por fim, trabalhei junto à Aracele, Bianca e Camila na revisão tradução para o inglês do sítio do LaKademy. Agora só falta conseguirmos uma alma caridosa pra fazer a tradução pro espanhol.  🙂

Foram tiradas muitas fotos ao longo do evento. Então, quem quiser ter uma ideia de como funcionavam nossos trabalhos, é só acessar a galeria de fotos do LaKademy 2017 no Flickr. Rolou até um GIF animado amador…  😉

GIF animado com os participantes do LaKademy 2017

E claro que também tivemos a tradicional foto oficial do evento:

Foto com os participantes do LaKademy

Olha o povo bacana da KDE aí!

Agora é nos prepararmos pra trabalhar bastante, implementando tudo o que foi planejado. E já pensarmos no próximo LaKademy!

Como instalar a versão desktop do Telegram no GNU/Linux

Algumas pessoas que eu conheço usam o cliente do Telegram no GNU/Linux, mas sempre surge alguma dúvida de como instalá-lo. Apresento aqui uma descrição de como eu faço na Debian, de uma forma que não precisa de senha de root nem sudo.

Dessa forma é possível utilizá-lo em qualquer computador.

  • Crie um diretório bin no seu diretório home:

mkdir ~/bin

  • Verifique se existem as linhas abaixo no arquivo .profile que está dentro do seu home (normalmente elas vẽm por padrão em instalações Debian). Caso elas não estejam lá, acrescente-as.
    if [ -d "$HOME/bin" ] ; then
    PATH="$HOME/bin:$PATH"
    fi
  • Baixe a versão mais recente do Telegram a partir dessa página: https://desktop.telegram.org/ . Para esse exemplo, vamos salvar o arquivo no diretório /tmp. Você também pode já abri-lo diretamente com o programa de descompactação, caso queira.
  • Descompacte-a no diretório ~/bin criado anteriormente. Ele vai criar um diretório Telegram lá. Utilizando a instrução anterior como exemplo, o arquivo estará salvo no diretório /tmp e pode ser descompactado com a sequência de comandos abaixo (pode ser que o nome do arquivo seja diferente quando você fizer o download):
    cd ~/bin
    tar xvf /tmp/tsetup.1.0.29.tar.xz
  • Ainda no diretório ~/bin, crie o link simbólico para o executável do Telegram:
    ln -s Telegram/Telegram telegram
  • E pronto. Agora você já pode digitar telegram, no gerenciador de arquivos, no terminal ou no lançador de aplicações (acessível pelo Alt-F2) para abrir o programa. Ou pode criar um atalho para ele.

Como definir grupos padrão para usuários na Debian GNU/Linux

Passei por um problema aqui em que eu precisava criar uma série de usuários que deveriam pertencer a determinados grupos. Isso porque, quando se cria um usuário novo na Debian (não sei se é assim nas outras distros), ele é incluído somente no seu próprio grupo. E isso é um problema, por exemplo, quando se quer ouvir música, pois o usuário, por padrão, não faz parte do grupo audio. Eu poderia fazer essa inclusão nos grupos individualmente (ou usando um script), mas estava considerando essa solução muito pouco funcional. Resolvi dar uma pesquisada e acabei descobrindo um recurso do próprio comando que resolveu o meu problema.

O pulo do gato está em um parâmetro e no arquivo de configurações do comando adduser. O nome do arquivo é adduser.conf e ele está localizado dentro do diretório /etc. Esse arquivo define todas as configurações padrão do adduser e apresenta vários parâmetros interessantes, como o shell padrão e o diretório dentro do qual deverão ser criados os diretórios dos usuários, entre (várias) outras coisas. Mas as configurações que interessam para este artigo está lá no finalzinho do arquivo. São elas EXTRA_GROUPS e ADD_EXTRA_GROUPS. É sempre bom lembrar que, por ser um arquivo do sistema, o adduser.conf só pode ser alterado com privilégios de superusuário, usando a conta root ou o comando sudo.

EXTRA_GROUPS define em quais grupos os usuários serão incluídos. Caso você queira usar os grupos padrão, que estão definidos na linha de configuração do parâmetro, você pode deixá-la exatamente como está. Agora, se você quiser alterar esses grupos, então é necessário descomentar a linha (eliminando o sinal #) e alterar o parâmetro para os grupos de seu interesse.

ADD_EXTRA_GROUPS define o comportamento padrão do comando adduser. Caso você queira que todos os usuários sejam incluídos nos grupos definidos em EXTRA_GROUPS, descomente a linha ADD_EXTRA_GROUPS e certifique-se de que o número ao final dela seja diferente de zero (por exemplo, ela deve ficar ADD_EXTRA_GROUPS=1). Caso você queira que somente alguns usuários entrem nos grupos definidos, deixe essa linha comentada (ou com o valor 0) e, quando for criar o usuário que deve pertencer aos grupos, acrescente o parâmetro –add_extra_groups ao comando adduser.

Exemplificando:

Situação 1: você quer que todos os usuários criados no seu sistema pertençam aos grupos audio, video, plugdev e users. Você deve então editar o arquivo adduser.conf e alterar a linha do parâmetro EXTRA_GROUPS para:

EXTRA_GROUPS="audio video plugdev users"

e a linha do ADD_EXTRA_GROUPS para:

ADD_EXTRA_GROUPS=1

(repare que, em ambas as linhas, não existe mais o sinal # no início delas) e, para criar novos usuários, execute o tradicional:

adduser nome_do_usuario

Todos os usuários criados dessa forma farão parte dos grupos audio, video, plugdev e users.

Situação 2: você quer que alguns os usuários pertençam aos grupos padrão do sistema (aqui na minha instalação eles são: dialout, cdrom, floppy, audio, video, plugdev e users). Nesse caso os parâmetros ficam com a configuração padrão do sistema, ou seja, as linhas permanecem como:

#EXTRA_GROUPS="dialout cdrom floppy audio video plugdev users"

e:

#ADD_EXTRA_GROUPS=1

(repare na marca de comentário no início de cada linha). Agora, toda vez que você quiser criar um usuário pertentecente aos grupos padrão, é necessário acrescentar o parâmetro –add_extra_groups ao comando, dessa forma:

adduser nome_do_usuario –add_extra_groups

Assim, somentes esses usuários farão parte desses grupos. Os outros, criados sem o parâmetro, continuarão somente com seus grupos pessoais.