dez 212009
 

O título desse artigo é a tradução de um slide que aparece na apresentação abaixo, originalmente obtida sítio do TED. Ativem a legenda em inglês para entender melhor, pois ele fala muito rápido.

Em resumo, o Greenpeace queria um nome que representasse as baleias para uma campanha e, dentre os diversos nomes eruditos que apareceram, surgiu um, em tom de brincadeira: "Mister Splashy Pants". É algo intraduzível para o português, mas basicamente brinca com a onomatopeia "splash" e o sentido de respingo, gerando algo similar a "Senhor Calças Respingadas".

O interessante é que o nome pegou e começaram a surgir diversas campanhas em prol dessa escolhas. O Greenpeace chegou a estender a votação por mais uma semana, pois achou que aquilo era só uma brincadeira. Mas a situação não mudou e o resultado final foi a vitória de "Mister Splashy Pants", com 78% dos votos (o segundo lugar ficou com somente 3%).

Voltando ao título do artigo, a lição principal que fica dessa história é justamente que você não controla aquilo que coloca na Internet. Se você abrir uma enquete, permitir que os usuários façam comentários em suas publicações, pedir por colaborações online, ou abrir espaço para qualquer outro tipo de interação, esteja preparado para qualquer coisa. E saiba que qualquer pessoa tem tanto poder quanto você na Internet. E isso não é ruim! Mesmo que existam os vandalismos, mesmo que possam surgir bobagens, o verdadeiro sentido da informação online é justamente esse: todos estão no mesmo nível e todos podem participar. É isso que apavora a grande mídia e é por isso que eles tentam, a todo custo, deter essa produção de informações.

Sei que vivemos momentos de medo, com blogueiros sendo processados em um ritmo cada vez mais intenso. Mas isso não deve ser utilizado como justificativa para impedirmos a participação das pessoas em nossas publicações. Quando fazemos isso, a Internet fica mais pobre, pois perde um importante componente que é a interação. Tentemos ser maiores que o nosso medo. Os resultados positivos podem não ser imediatos, mas com certeza estaremos contribuindo para a construção de uma Internet mais bacana.

Quando estava fechando esse artigo, recebi a indicação do Sérgio Lima sobre um artigo do blog do Glaydson Lima bem interessante que explica, de maneira bem clara, a questão legal dos comentários em blogs. Vale a leitura.

maio 302009
 

Hoje eu tive a honra de ser convidado pelo Sérgio Amadeu para fazer parte do blog coletivo Trezentos. Abaixo a descrição do blog:

Este é um blog coletivo. Muitos autores, muitos temas e muitas visões.
O que nos une? A idéia de que a vida não se limita as relações de mercado capitalistas. Que profundas transformações estão em curso e sua turbulência já foi percebida. A sociedade é conflito e equilíbrio. Estamos aqui no ciberespaço, um lugar demasiadamente amplo, um não-lugar, o espaço dos fluxos. Uma realidade virtual que permite articular nossas ações presenciais.
Não estamos em uma garganta. Não pretendemos defender nenhum estreito. Não gostamos de gatekeepers e de todos aqueles que querem diminuir ou bloquear a liberdade e a diversidade cultural. Somos trezentos e queremos passar, gostamos de compartilhar nossas idéias, defendemos as redes P2P. Por isso, não somos de Esparta. Somos amigos do Mário. Que Mario? Aquele que…

“Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta,
As sensações renascem de si mesmas sem repouso,
Ôh espelhos, ôh Pireneus! Ôh caiçaras!
Si um deus morrer, irei no Piauí buscar outro!”
(MÁRIO DE ANDRADE, EU SOU TREZENTOS)

Já repararam na minha responsabilidade, não é? Para facilitar o acompanhamento das minhas publicações, quando eu publicar algo lá, colocarei uma chamada aqui, com o título do artigo.

Minha primeira publicação já está lá e é sobre o importante ato contra o AI-5 digital que ocorrerará segunda-feira, dia 1º de junho em Belo Horizonte. Espero encontrar vocês lá.

mar 072009
 

Tumblelog é uma modalidade diferente de blog, focado na publicação ágil e na variedade de mídias (além de textos inclui também fotos, vídeos e áudios). O enfoque na agilidade é reforçado pela ausência de comentários e pela possibilidade de publicar a partir de vários meios, inclusive mensagens eletrônicas. Um dos serviços mais famosos de tumblelog (e que acabou virando sinônimo do mesmo), é o Tumblr.

Procurando um software livre para montar um "blog de bobagens" – um local onde eu pudesse fazer publicações rápidas de coisas que normalmente ficariam deslocadas aqui na teia – encontrei o Gelato, um software de tumblelog que está associado ao sabros.us, que é o gerenciador de marcadores sociais que eu uso na Biosfera. No início ele me atendia razoavelmente bem. Contudo, a ausência de opções de personalização (ele permitia somente mudar os temas) e o péssimo gerenciamento de comentários (que o transformou em um verdadeiro "hotel de spams") começaram a me incomodar e resolvi procurar outro programa.

Foi aí que conheci o Chyrp. Ele não é uma aplicação de tumblelog, mas sim de blogs. Entretanto sua estrutura básica é tão simples que ele é perfeito pra esse tipo de atividade.

Instalar o Chyrp é muito fácil. Basta baixar o arquivo, descompactá-lo no diretório onde ele vai ficar, renomeá-lo para o nome mais adequado, criar um banco de dados e acessá-lo pela Internet. A partir daí, ele irá abrir a página de configuração. Nessa página você irá indicar as configurações do banco de dados, título, descrição e fuso horário do seu blog e os dados da conta de administrador. Após clicar no botão "Install", seu blog já estará pronto para publicar. Na tela seguinte ele dá algumas dicas de uso, apontando os endereços de onde é possível baixar módulos, temas e feathers (um termo utilizado pelo programa, cuja tradução literal é penas). E é justamente esse último item o grande diferencial do Chyrp.

Os feathers são diferentes tipos de conteúdo que podem ser instalados no blog. É um conceito simples, mas bastante poderoso. Usando as feathers é possível deixar o blog pronto para receber qualquer tipo de conteúdo (e mídia). Você não precisa se preocupar com nenhuma formatação extra. Isso fica a cargo do Chyrp. Por exemplo, imagine que você quer colocar o trecho de uma conversa de bate-papo no seu blog. Se isso for colocado como uma publicação normal do blog ele vai mostrar um bloco de texto comum, entretanto, se você usar um feather de bate-papo, ele irá colorir e formatar o texto de modo a destacar a conversa. O Chyrp vem com dois feathers básicos: texto e página (como todo blog), mas existem vários outros que você pode baixar a partir do sítio oficial. Inclusive um dos disponíveis lá chama-se Tumblr pack e é justamente um pacote com as sete opções de publicações do Tumblr: áudio, bate-papo, link, foto, citação, texto e vídeo. Ou seja, o seu Chyrp fica com a cara Tumblr (com a vantagem de ter, nativamente, suporte a comentários e pingbacks). Além disso, existe também uma série de módulos e temas, que permitem uma personalização ainda mais fina do seu blog. E a instalação desses itens é bem fácil. Basta baixar os que lhe interessarem e descompactar nos diretórios correspondentes (feathers, modules ou themes). Feito isso, é só entrar na interface administrativa do programa e habilitá-los.

Para os programadores (e aspirantes), algumas boas notícias. Além de ser livre e, portanto passível de alterações, o Chyrp é muito bem documentado e possui uma API de intereração. Isso significa que é possível fazer outros programas "conversarem" com ele. Por exemplo, é possível publicar ou obter publicações remotamente. Infelizmente ainda não é possível fazê-lo por e-mail, mas nada impede que esse recurso seja adicionado no futuro.

Por essas e outras, esse software é uma opção interessante para quem quer manter um blog/tumblelog simples ou mesmo um mais elaborado, mas com pouca complicação. Ele não possui o componente social presente nas hospedagens de serviços, como o Tumblr, mas para uso pessoal ele é ótimo. Ah, e para vê-lo funcionando como um tumblelog, basta visitar o Papo de Aranha

fev 062009
 

A teia e os outros sítios pessoais que eu mantenho estão hospedados na Dreamhost. É uma empresa que, apesar de despertar a ira de alguns, nunca me decepcionou. E a relação custo-benefício deles é ótima e ficou famosa: banda, armazenamento, bancos de dados e domínios ilimitados mais acesso via ssh por 120 dólares anuais. Encontrei alguns poucos problemas de indisponibilidade temporária, que se sanaram bem rapidamente. Mas como eu só mantenho sítios de uso pessoal lá, isso nunca me gerou nenhuma dor de cabeça.

Pois agora o pessoal resolveu inovar ainda mais. Lançaram um serviço de hospedagem de aplicações totalmente gratuito: o DreamHost Apps. E não é nenhuma hospedagem meia-boca não. Ao assinar o serviço, você ganha uma instalação de cada um dos seguintes softwares:

Além disso, o usuário ganha também os serviços disponibilizados pela Google no pacote GoogleApps: Gmail, Google Talk, Google Agenda e Google Docs. Isso tudo personalizado no seu endereço web (com direito a mais 49 contas além da sua). Tá bom ou quer mais? 

Um detalhe interessante é que você pode usar o endereço deles ou registrar um próprio. No primeiro caso, seu endereço vai ser alguma_coisa.dreamhosters.com (por exemplo, zezinho.dreamhosters.com). A segunda opção é bem mais interessante porque além de ter um endereço de Internet próprio (o que é bem mais charmoso) você também passa a ter um endereço de e-mail exclusivo seu. E uma vez que você pode criar até 50 contas, pode ter e-mails para atividades diferentes. Por exemplo, vamos supor que você registre o endereço soubacana.com.br. Você pode ter endereços do tipo listas@soubacana.com.br somente para assinar listas de discussão e pessoal@soubacana.com.br somente para e-mails pessoais. Claro que esses exemplos foram simplórios, mas servem bem pra ilustrar as potencialidades que se abrem.

E registrar um domínio é fácil. Caso você queira algum que termine em .br, vá até registro.br, faça o seu cadastro, veja se o endereço desejado está disponível e faça o seu registro. Os registros custam 30 reais por ano, com exceção do .nom.br, que custa 10. Agora, se não fizer questão do .br, pode registrar pelo próprio DreamHost Apps ao custo de 9,95 dólares anuais.

Portanto, o que você está esperando? Vai lá garantir o seu, porque o número de inscrições é limitado. E quem quiser divulgar a nova "casa" aqui nos comentários, fique à vontade. 

Agora, se ao invés de assinar o DreamHost Apps você estiver interessado na hospedagem DreamHost, basta, durante o preenchimento do cadastro, informar o código TEIA (tudo em maiúsculo) e você ganha, na hora, um desconto de 30 dólares na sua assinatura. Para maiores informações, é só entrar em contato.

Prêmio Dardos

 Sem categoria  4 Responses »
jan 192009
 

Selo do Prêmio DardosHá alguns dias a teia recebeu dois prêmios Dardos. Um deles veio da Suzana Gutierrez, através dessa publicação do Gutierrez/Su e o outro veio do José Antônio Küller, por essa publicação do Germinal. Por acaso, duranta a busca por mais detalhes sobre o prêmio, acabei descobrindo também qua já havia sido indicado, há muito tempo, pela Verônica Carvalho aqui, no Idéias em Blog, pela Semíramis Alencar, aqui, no Ne Quid Nimis, pela Cybele Meyer, aqui, no Educar Já!, pela Suzana Gutierrez, aqui, no Gutierrez/Su e pelo Robson Freire, aqui, no Caldeirão das Idéias. Agradeço a todos que indicaram a teia e peço desculpas aos últimos, pelo atraso do reconhecimento (realmente comi mosca aqui…). 

Explicando sobre esse prêmio, quem o recebe e o aceita deve seguir as seguintes regras:

  1. exibir o selo do prêmio;
  2. linkar o blog que atribuiu o prêmio;
  3. escolher quinze (15) outros blogs para entregar o "Prêmio Dardos".

Bom, o selo está aqui ao lado e os links estão lá em cima, nos blogs que indicaram a teia. O duro foi a terceira parte. Não que eu ache que outros blogs não mereçam (muito pelo contrário!), mas porque meu acompanhamento de novidades é bem "difuso". Eu acompanho a rede pelo nosso agregador e por indicações que chegam via identi.ca, Twitter, FriendFeed e Digg (por isso ele entraram nas "menções honrosas") . Na verdade eu acompanho mais as publicações do que os blogs propriamente ditos. Por isso, minhas indicações abaixo vão para aqueles que eu tenho uma maior interlocução, tanto com o blog em si como com a pessoa. Ah, e eles estão em ordem alfabética pelo nome do blog para evitar confusões do tipo melhor/pior.    Obviamente, além das indicações abaixo, indico de volta o prêmio também para as pessoas que me presentarem com ele, pois todas elas também fazem parte dessa lista.

Como ganhei mais de um prêmio, estou abrindo uma "menção honrosa" aos agregadores que eu uso…

… e indicando alguns fora da nossa teia educacional:

  • Bem Legaus – André Montejorge – Novidades, bobagens, produtos, serviços e produções artesanais. Tudo "bem legaus"
  • Bichinhos de Jardim – Clara Gomes – A Clara mostra como pegar "bichinhos fofinhos" e criar um humor deliciosamente sarcástico
  • Blog do Vicente – Vicente Sloboda – Muitas dicas bacanas sobre tecnologia em geral e software livre em particular
  • Eu podia tá matando,  eu podia tá roubando, mas estou aqui blogando – Silveira, Cassiano e Marco – Além do título genial, esse é um sítio repleto de humor inteligente e ótimas dicas de bobagens em geral
  • splitbrain.org – Andreas Gohr – Blog pessoal do criador do DokuWiki, com algumas dicas interessantes para o uso de recursos da Interrnet
  • Tadeu’s Blog – Tadeu Cruz – Minhas fonte de dicas de jogos legais para GNU/Linux e novidades tecnológicas

Bom, se mais alguém me indicou para o Dardos e eu não citei aqui, peço desculpas e autorizo a enviar um "puxão de orelha" nos comentários… 

Mais sobre Gaza

 Sem categoria  1 Response »
jan 132009
 

Era pra eu ter publicado isso na semana passada, mas não teve jeito. São duas recomendações de leitura sobre os conflitos em Gaza.

A primeira é o ótimo artigo Mídia, blogues, cidadãos jornalistas e as notícias de Gaza do blog Escrevinhamentos, onde o autor, Victor Barone, faz uma análise sobre a posição e atuação da mídia nesse conflito.

A segunda é mais intensa. É o blog Moments of Gaza, que é mantido por ativistas e cidadãos da Faixa de Gaza. Contém detalhes do que está acontecendo e o sentimento das pessoas que moram lá. E, seguindo as recomendações do seu artigo Ways of support, que pede a divulgação do blog, estou aqui anunciando o trabalho dessas pessoas e convido outros blogueiros a fazerem o mesmo.