aracnus

jan 142016
 

Peter Sunde, um dos fundadores do Pirate Bay, fala, em uma ótima entrevista, da sua visão pessimista em relação à Internet. Uma visão que eu compartilho com ele já há algum tempo. Bom, saber que não é só paranoia minha. 🙂 Vale a leitura e o compartilhamento com aqueles que ainda acreditam que o capitalismo vai salvar o mundo. Tolinhos…

#^“Eu desisti”, afirma Peter Sunde, fundador do Pirate Bay

Image/photo

Um dos pioneiros no compartilhamento de arquivos online não está nada otimista com o futuro da internet.

nov 162015
 

Graças ao @Manuel Jiménez Friaza, eu conheci o sítio Cultura Inquieta. E lá encontrei essa matéria:

#^Cultura Inquieta – Una modelo de 18 años edita sus publicaciones en Instagram para mostrar la verdad tras las fotos

Image/photo

Una modelo de 18 años edita sus publicaciones en Instagram para mostrar la verdad tras las fotos

Pra quem quiser mais detalhes, o sítio da Essena é esse aqui:

#^Home

Image/photo

Charlotte: I think spending less time behind screens would have many benefits for me as well, but I find it so hard to make a commitment. I need the internet for studies/work and would be fine using it just or mainly for that, but the problem is that once I start clicking away I get sucked in. I might actually be a little bit addicted. Could you …

Achei o máximo a mudança que ela fez em sua vida. E acho que o @giac hellvecio vai gostar… 😉

out 202015
 

Quem usa Debian Stretch com a combinação KDE+Nvidia+SDDM teve uma infeliz surpresa após atualizar os drivers da Nvidia pra última versão e o pacote glx-diversions para a versão 0.6.0: o SDDM dá um erro (mais especificamente o erro é anunciado pelo sddm-greeter) e não aparece mais a tela de autenticação.

Depois de dar uma passeada na rede, achei uma solução bem simples e que resolve o problema: adicionar o usuário sddm ao grupo video. Parece que também é necessário adicionar o seu próprio usuário a esse grupo, mas como o meu já estava nesse grupo, foi só adicionar o sddm que tudo voltou a funcionar perfeitamente. Pra quem não lembra, pra adicionar o usuário ao grupo é só usar o comando abaixo (como root ou usando o sudo:

adduser sddm video

A dica veio desse bug aberto na Debian.

Zotopia 2015

 Sem categoria  1 Response »
abr 282015
 
Sérgio F. de LimaSérgio F. de Lima wrote the following post 1 day ago
Zotopia Esta é uma tradução cometida deste texto aqui compartilhado pelo @Haakon Meland Eriksen e escrito pelo @Mike Macgirvin.

Zotopia 2015

Aqui estão os pontos em discussão…

Zot é um protocolo e base para um serviço web escalável e descentralizado.

Zot não é um movimento político.

Zot não é uma rede social. A guerra das redes sociais acabou. Facebook venceu. Por que ainda estamos falando sobre isso mesmo?

Zot não tem filiação com Diaspora, que é uma rede social. A guerra das redes sociais acabou. Facebook venceu. Por que ainda estamos falando sobre isso mesmo?

Zot não tem filiação com Friendica, que é uma rede social. A guerra das redes sociais acabou. Facebook venceu. Por que ainda estamos falando sobre isso mesmo?

Zot não tem lider. Desse modo, e devido a sua natureza descentralizada de interconectar diferentes indivíduos, com diferentes motivações, em diferentes sistemas computacionais ele pode, assim, ser entendido como um coletivo. Como esses indivíduos interagem e suas motivações pessoais não é definido nem controlado pelo zot. Esse coletivo resultante é, desta forma, algo orgânico e fluido por natureza.

Redmatrix é um projeto de aplicativo que usa Zot. Redmatrix não é o Zot.

Redmatrix não tem lider.

Redmatrix não é "anti" qualquer coisa. Por exemplo, não é anti-Facebook ou anti-Twitter ou anti-Estadunidenses.

Meu envolvimento pessoal (@Mike_Macgirvin) com a a Redmatrix é por minha própria escolha e sob os meus próprios termos.

Eu pessoalmente não tenho nenhuma afiliação política ou religiosa definida. Meus interesses estão e sempre estiveram apoiados sobre comunicação entre máquinas. A comunicação entre as pessoas é um problema delas não meu. Como elas reagem e interagem com várias mídias sociais não me interessa.

Eu sou pessoalmente capacitado para implementar encriptação. A encriptação que escolhi implementar nos projetos de código aberto em que trabalho (que podem ou não incluir Redmatrix) são todas tecnologias bem conhecidas e entendidas, e que podem conter ou não conter falhas inerentes. Ela é, provavlemente, boa o suficiente para proteger secredos pessoais entre amigos de observadores casuais (ou para um conjunto bem definido de observadores casuais) mas provavelmente não é boa o suficiente para proteter segredos de estado.

Eu sou um cidadão dos Estados Unidos da América. Eu vivo na Austrália por muitos anos e procurei cidadania na Austrália por razões pessoais. Eu não sou um ativista político.

Redmatrix é de código aberto. Isso significa que qualquer um pode inspecionar o código e se ele não se comportar como desejado pode modificar o código. Eu não sou pessoalmente responsável pelo conteúdo do código da Redmatrix ou por alguma falha de segurança ou bugs (erros) inerentes ao mesmo. Se você encontrar tais erros ou falhas você é, tanto quanto eu estou ciente, capaz de corrigí-los e submeter as correções de volta para o projeto.

Como esse processo se desdobra e como essas conversas se desenvolvem irão determinar, de certo modo, o futuro do Zot, da Redmatrix e minhas opções pessoais em relação a ambos. Alguns desses desdobramentos já vêm ocorrendo há um longo período de tempo e a cristalização dessas tendências de longo prazo estão ocorrendo enquanto nós conversamos.

#zotopia

fev 112015
 

Na minha ida à São Paulo eu fui à exposição do artista hiper-realista Ron Mueck, que está na Pinacoteca. Depois de uma hora e 20 minutos na fila, finalmente consegui entrar. E vou te falar, valeu cada minuto de espera. É uma das exposições mais impactantes que eu já fui. O nível de detalhes é tão grande que a sensação que dá é que as peças vão se mexer a qualquer momento. Então é uma exposição que eu recomendo enfaticamente. Em SP ela vai até o dia 22 (com direito a horário especial no carnaval).

Uma dica que uma das atendentes do museu me deu é que os horários da tarde, especialmente a partir das 15 horas, é mais vazio. A entrada é 6 reais (com direito a meia entrada de 3 para estudantes com carteirinha). Crianças até 10 anos e idosos acima de 60 não pagam. E a entrada é gratuita após as 17h de quinta (nas quintas o museu funciona até as 22h) e sábado o dia inteiro. Mas um aviso. Vá preparado para momentos de irritação. Pelo menos quando fui, as pessoas perdiam mais tempo tirando selfies do que apreciando as obras. E o problema é que elas ainda atrapalhavam os outros, porque tinham que tirar o raio do selfie bem na frente das esculturas. :facepalm

Pra quem quiser ter um gostinho, tirei algumas fotos da exposição, que estão nesse álbum aqui.

jan 162015
 

Hoje eu aprendi uma coisa bacana. Eu já usava, há algum tempo, o plugin do WordPress na red# (wppost, que fica no diretório "addon"). Esse plugin permite que uma publicação que eu faça no Vilarejo seja replicada no blog da teia. Eu o uso sempre que eu escrevo algo mais elaborado no Vilarejo.

Pois hoje, graças a esse comentário do @Mike Macgirvin eu aprendi que existe também um plugin para o WordPress (wptored) que permite fazer o contrário, ou seja, replicar na red# aquilo que for publicado no WordPress.

Agora o grande barato não é esse. O lance é que se eu ativar os dois plugins, é possível configurar o wppost para enviar para o WordPress todos os comentários efetuados na publicação da red#. Ou seja, eu publico algo na red# e isso vai como um artigo para o WordPress. Aí, todos os comentários feitos nessa publicação da red# vão como comentários para o artigo no WordPress! E isso é lindo! 🙂

Infelizmente o contrário ainda não funciona, ou seja, comentários feitos no WordPress não vão para a red#. Mas, como disse o @Mike Macgirvin no comentário citado acima, isso é só uma questão de tempo (alguém aí se habilita a trabalhar nisso?). 😉

dez 312014
 

Um feliz novo ciclo solar pra todo mundo! E que o simbolismo dessa data sirva para que possamos avaliar nossas ações e nos tornarmos pessoas melhores para nós mesmos e para o mundo!

Aproveito também pra deixar uma dica de qual roupa usar na virada do ano. 😉

Image/photo

out 312014
 

Dependendo de como você trabalha com a Debian, pode ser que tenha que adicionar algum repositório que não possua assinatura digital (por exemplo, algum repositório pessoal) ou então você pode não ter baixado a assinatura dele. Nesses casos, pra quem usa o apt-get ou o novo apt, uma coisa chata é que, por padrão, eles não verificam repositórios sem assinatura. Por isso, toda hora tem que adicionar o parâmetro –allow-insecure-repositories (e às vezes a gente só lembra disso depois que já disparou a atualização, aí tem que fazer tudo de novo).

Entretanto existe uma forma de contornar isso, que é adicionando um parâmetro na configuração padrão do sistema. Você pode adicionar a entrada no arquivo /etc/apt/apt.conf ou, preferencialmente, criar um arquivo novo dentro do diretório /etc/apt/apt.conf.d. Esse arquivo pode ter qualquer nome, mas tem que começar com um número, que indica a sua prioridade. Quanto menor o número, maior a prioridade, ou seja, ele é lido primeiro. Como esse é um parâmetro que não precisa aparecer no início, você pode atribuir prioridade 99 a ele. Aqui na minha máquina eu criei um arquivo chamado 99insecure-repositories. Ou seja, o endereço completo do arquivo criado é: /etc/apt/apt.conf/99insecure-repositories. E o conteúdo dele é o seguinte:

Acquire::AllowInsecureRepositories "true";

Feito isso, na próxima atualização ele já não vai mais te pedir o parâmetro –allow-insecure-repositories. Claro que é sempre bom lembrar que você só deve usar repositórios não-oficiais quando tiver certeza da sua origem. 😉