Como gerar senhas MD5

Uma dica rápida. Na maioria das vezes, quando nós cadastramos em algum serviço ou programa, nossa senha é armazenada, no banco de dados, no formato MD5. O problema é que, algumas vezes, temos que fazer alterações diretamente no banco de dados e isso pode ficar complicado, pois a senha já está criptografada. Assim, não podemos colocá-la em texto plano, pois não seria reconhecida. Pra quem usa o GNU/Linux ou tem acesso a uma máquina rodando esse sistema, gerar uma nova senha já criptografada é bem simples. Basta usar o seguinte comando, trocando senha pela senha desejada (importante, a senha tem que ficar entre aspas):

echo -n "senha" | md5sum

Na linha seguinte será exibida a criptografia correspondente. Basta copiá-la e colar no campo correspondente.

Saiu a versão 3.1.0 do Claws Mail

Já está disponível para download a nova versão do Claws Mail (o melhor cliente de e-mail do mundo! ®), de número 3.1.0.

  • melhorias no suporte ao NNTP;
  • implementação do GnuTLS como alternatia ao OpenSSL;
  • possibilidade de selecionar um novo diretório de configurações ao iniciar o programa;
  • possibilidade de ordenar as etiquetas alfabeticamente e unificação dos janelas de diálogo;
  • substituição da forma de indicar a "conta padrão": ao invés de usar uma coluna, ela é indicada em negrito.
  • possibilidade de anexar arquivos aos modelos e mudança das opções do modelo para uma janela com abas;
  • implementações no livro de endereços: eliminação de duplicatas; definição de imagens para os usuários, com a incorporação de imagens Face ou X-Face automaticamente; adição de um script para importação de dados no formato CSV; suporte a livros de endereços dos programas Becky e Thunderbird;
  • agrupamento das codificações de caracteres em sub-menus;
  • suporte a impressão aprimorado, utilizando a biblioteca GTK+, o que elimina a necessidade do plugin libnomeprint caso a versão da GTK+ seja maior ou igual a 2.10;
  • retorno da opção "Gerar Message-ID" nas contas dos usuários;
  • melhor apresentação das preferências da barra de ferramentas;
  • exibição do número de anexos no título da aba, na janela de composição;
  • salvar os arquivos temporários gerados pelas opções de visualização de anexos como "somente leitura", por medida de privacidade;
  • alterações no IMAP: adição de um botão com opção para descartar caches locais; melhorias no gerenciamento de erros; otimização na obtenção de mensagens que já estão no cache;
  • suporte de leitura a campos jpegPhoto do LDAP;
  • opção de incluir mensagens com Bcc na linha de comando;
  • opção de ativar uma "lista branca" para exibição de imagens remotas no Dillo, baseada no livro de endereços;
  • "lista branca" baseada no livro de endereços para o plugin SpamAssassin;
  • habilitação do Maemo 4.0 (Chinook);
  • remoção de algumas dicas inúteis para o MAEMO;

Além de uma série de correções de bugs. O anúncio oficial (em inglês) você encontra aqui. E o programa (e seus plugins) podem ser baixados aqui.

Criando cabelos com o Inkscape

Mais um tutorial do Inkscape, para o amantes do design. Dessa vez ensinando como criar mechas de cabelo. O resultado final pode ser bem interessante. Veja abaixo um exemplo:

Cabelo no Inkscape

O tutorial, que na verdade é uma “tradução contextualizada” feita pelo Valéssio Brito, está disponível nessa página do Inkscape Brasil. O original, extraído do sítio Chris Grafikdesign, você encontra aqui.

Melissa… Aquela ordinária…

Quem já tentou criar uma conta no Yahoo Mail já deve ter se deparado, ao final do cadastro, com uma imagem contendo letras e números bem distorcidos. Essa é uma medida de segurança chamada "captcha" e serve para tentar barrar robôs de registro automático (uma vez que eles não conseguem traduzir a informação da imagem).

Entretanto os spammers já desenvolveram uma técnica para quebrar esse tipo de proteção. E usam o melhor sistema de leitura/interpretação de imagens que existe: seres humanos. Isso mesmo. Ao invés de inventar técnicas mirabolantes para processar essas imagens eles criaram algo bem mais simples: Melissa. O papel da Melissa também é simples: tirar a roupa. Isso mesmo. Melissa é uma stripper. Só que para fazer a Melissa tirar a roupa, é necessário decodificar alguns captchas. Cada vez que é inserida a seqüência correta, Melissa tira uma peça. Só que os captchas usados para despir a Melissa são, na verdade, aqueles usados pelo Yahoo. E toda vez que a Melisa perde parte da roupa, a seqüência traduzida do captcha vai para um servidor em Israel. Dessa forma os criadores da striper virtual montam uma coleção de traduções de captcha, que podem ser utilizados, futuramente para, por exemplo, fazer um registro em massa de contas falsas no Yahoo. Essa contas podem ser utilizadas para os mais diversos fins: desde o envio de spams e vírus até mesmo transações fraudulentas que envolvam o envio de e-mails.

Pois é, se você tem um ser humano pra fazer o trabalho braçal, pra que investir em tecnologia? Mais sobre a Melissa no site do IDG.