Como criar um efeito de “quebra-cabeça” em imagens

O Gimp e o Inkscape são dois softwares livres fantásticos para a área de design gráfico. E se a pessoa tem seus “dons artísticos” desenvolvidos, ela pode produzir resultados realmente muito interessantes.

É o caso desse tutorial, escrito pelo romeno Nicu Buculei. Ele ensina como gerar um efeito de “quebra-cabeça” em imagens. Veja o resultado final:

Foto de exemplo do efeito de quebra-cabeça

 

O legal é que ele também possui vários outros tutoriais com os mais diversos efeitos. Pra quem gosta da área é um prato cheio.

Distribuições GNU/Linux: diversidade e genealogia

Pra quem é recém-chegado do mundo Windows, o conceito de distribuição (mais conhecido entre os usuários GNU/Linux como distro), pode parecer meio exótico. E pior, acabam confundindo distribuição com versão e, com isso, julgam que existam distribuições "mais novas" ou que sejam "atualizações" de outras distribuições. Só que, na verdade, não é bem assim.

Devemos entender distribuição como conjunto, pois elas nada mais são do que isso, um conjunto de softwares "empacotados" juntos. Explicando um pouco melhor, aquilo que chamamos de Linux, nada mais é do queo núcleo do sistema, tecnicamente conhecido como kernel. Falando de maneira bem genérica, é a parte do sistema que faz o "meio-de-campo" entre o hardware e o software. Uma explicação mais detalhada pode ser encontrada na Wikipédia (infelizmente em inglês pois o verbente em português está marcado para revisão, portanto, pouco confiável). Pois bem, o kernel sozinho seria de pouca utilidade para o usuário final, pois ele nada faria. Pra isso são criados os programas que funcionam "sobre" esse componente. Esses sim, são utilizados pelos usuários. São os interpretadores de comandos, interfaces gráficas, navegadores, editores de texto, etc., etc., etc…

Como a diversidade de aplicações para o GNU/Linux é ENORME (como parâmetro de dimensão, apenas na versão testing da Debian existem hoje, 27.296 pacotes disponíveis) esses pacotes podem ser combinados das mais diversas maneiras. É aí que entram as distribuições. Na prática, ao se criar uma distribuição, junta-se um kernel, mais uma coleção de pacotes e coloca-se isso de maneira organizada. As distribuições mais elaboradas incluem também um gerenciador de pacotes, que é uma ferramenta (ou conjunto delas) que gerenciam a instalação/desinstalação dos programas no sistema, de forma a evitar conflitos entre eles e facilitar a vida dos usuários. Assim, resumidamente, uma distribuição é:

kernel + programas + (opcionalmente) gerenciador de pacotes

Dessa forma, é possível elaborar distribuições tanto genéricas, que visem uma gama ampla de usuários, como específicas (por exemplo, distribuições voltadas para a área educacional ou para a produção multimídia). E existe MUITAS distribuições GNU/Linux. Considerando-se todas as derivações, temos atualmente mais de 150. E o número não para de crescer.

Para orientar os interessados, existe, na Wikipédia, uma "linha do tempo" que mostra a "genealogia" das distribuições mais famosas disponíveis atualmente (bem como aquelas que já desapareceram). Vale a pena dar uma olhada, nem que seja para entender um pouco da história das distribuições.

Mudanças na teia

Bom, pra quem ainda não percebeu, fiz algumas mudanças no sítio. A idéia era mudar um pouco o "jeitão" da página e acrescentar funcionalidades.

A partir de agora pretendo colocar manter aqui um "calendário de eventos" ligados ao software livre em particular e à tecnologia em geral. Isso pode ser encontrado agora à direita, no bloco "Eventos". Sempre que acrescentar algum evento, ele irá para a página inicial e aparecerá como uma marca no calendário. Quem quiser divulgar seu evento, é só me enviar, usando o formulário Entre em contato.

Quem quiser mandar mais sugestões para a teia, também pode usar o mesmo formulário, ok?